João levava a vida como um rio. Era jovem, tinha uma perna maior que a outra, não dava para montar sozinho no cavalo, segurar as rédeas e trotar. Ele trabalhava no escritório do tio e morava com a mãe, gostava de futebol, cerveja, mulher, baralho e MPB.

Apesar do nome de apóstolo, João não comungava com Deus. Das vezes que sofreu nem chegou a pensar em Cristo. Chorou escondido alguns meses durante o término com Marina, mas tentou não sei deixar levar: bebeu, jogou, trepou, saiu com Camila, Tati, Vanessa, Carol, Sara, Fabi, Raissa e Manu, e foi pulando de poleiro em poleiro que acabou ficando exausto de manter a crista.

Quase todos os dias, depois do expediente, João enxugava um copinho de cachaça pensando em Marina, e os pensamentos nadavam na água turva dos arrependimentos. Ele a procurava em outras águas e matava a sede no poço da frustração. Então tornava a procurá-la nos sonhos e sentia a correnteza na cama. Sonhava feliz e acordava puto, cheio de suas sensações oceânicas.

Quando João saía com os amigos e se lembrava dela, era só beber que passava. E passava uma mulher com pernas bonitas e mais uma rodada de chopp. E os olhos se atreviam nas moças, em chegar perto, puxar papo e era bom nisso, não ficava sozinho, afinal, quem quer ficar sozinho fica em casa. Não lá em casa. Saideira? Carro. Corredor. Cama. Calcinha. Fechava os olhos e via sempre um mar escuro com poucas ondas, não tinha a maré. João era normal. O único fim decente pra ele era o fim de semana.

Nesse sábado, João acordou ao lado de Mariana. O que ele não sabia era que a vogal que fazia Mariana não ser Marina mudaria o rumo de suas vidas. Ao vê-la dormir, ele imaginou um feriado na praia, uma foto de casal na geladeira, um evento em família, um presente surpresa e uma sequência de experiências inéditas e dispersas. João levou Mariana nos lugares que mais gostava, desfilou abraçado e exibiu o frescor do vínculo.

Agora, o rio é doce, a canoa segue na direção dos mangues, onde as raízes crescem no meio da flora típica. A vida mostra novamente o vigor na umidade dos olhos castanhos de João, ainda que a previsão seja de tempestades, o alívio é maior ao sentir que esse ano, as mágoas não estão ancoradas.

Compartilhe esses delírios:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *